Oportunidade: Curso Gestão do Agronegócio

A Faculdade CNA traz o Curso Gestão do Agro com o objetivo de formar profissionais qualificados para atuarem, de forma comprometida e inovadora, na gestão das cadeias produtivas do agronegócio, afim de buscar soluções tecnológicas competitivas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável. As aulas são 100% on-line, com inscrições abertas para João Pessoa e Campina Grande.

Acesse e saiba mais sobre este e outros cursos: www.faculdadecna.com.br

Sindalcool compõe ação do Sebrae para desenvolvimento do Vale do Mamanguape

O lançamento do programa Território Empreendedor Sustentável ocorreu no dia 20 de maio deste ano. Promover o diálogo com o poder público e a comunidade local para que juntos possam garantir o desenvolvimento sustentável da região e, assim, os pequenos e micro negócios encontrem um ambiente favorável ao seu crescimento. Esse é o principal objetivo do programa, cujo piloto foi lançado no Vale do Mamanguape, Litoral Norte da Paraíba.
“A vocação do Sebrae é trabalhar o planejamento da gestão das pequenas empresas e dos pequenos negócios. Mas esses pequenos negócios não andam se não houver um ambiente favorável ao desenvolvimento econômico. Para isso é importante que o poder público entre nesse processo, principalmente as prefeituras, que são os entes mais próximos dos cidadãos e das empresas”, afirmou o superintendente do Sebrae, Walter Aguiar.
Segundo ele, o programa visa dar suporte às prefeituras municipais para que, junto ao Sebrae, possam fazer um planejamento estratégico e vejam a real vocação dos municípios. “Se o poder público tem isso muito claro, isso vai ajudar a criar estratégias que possam favorecer o microempreendedor a conseguir lançar seu negócio e até mesmo a mantê-lo de forma sustentável”, explicou Aguiar.
O Vale do Mamanguape, região composta por 12 municípios, tem como grandes propulsores da economia local o agronegócio, incluindo o setor sucroalcooleiro, e o setor turístico, devido às praias que possui no Litoral Norte da Paraíba. Para a prefeita de Mamanguape, Maria Eunice, a iniciativa é de grande importância para a região. “Nós, enquanto gestores, precisamos buscar parcerias, tanto como com órgãos como o Sebrae, como também com os outros municípios, para que possamos nos fortalecer. No caso de Mamanguape, por exemplo, sabemos que temos uma grande produção rural e um comércio bastante fortalecido. Isso, em união com os outros municípios, de maneira planejada, pode nos dar grandes resultados”, disse.
Este programa conta também com o apoio do SINDALCOOL, Sindicato da Indústria de Fabricação do Álcool, e com relação a esta parceria, o Presidente Executivo Dr. Edmundo Barbosa afirmou que o programa vem ocorrendo com êxito: “no dia 20/06 será o quarto encontro. Ampliamos o relacionamento entre os prefeitos e secretários e todas as entidades dos 12 municípios. O Sindalcool está participando para que o Vale do Mamanguape tenha cada vez melhores indicadores de desenvolvimento humano e prosperidade”.

Dia Mundial do Meio Ambiente e o RenovaBio!

Presidente do Sindalcool, Edmundo Barbosa, também prestigiou o evento

O RenovaBio foi anunciado pelo presidente Temer no Dia Mundial do Meio Ambiente, ocasião em que houve a assinatura da resolução do CNPE com as metas do RenovaBio!

Foi encerrada por volta das 13h30 de hoje, 05/06/2018, a Audiência Pública na ANP relativa à minuta de resolução que estabelece os requisitos para o credenciamento de firma inspetora para certificação e emissão do Certificado de Produção Eficiente de Biocombustíveis e da Nota de Eficiência Energético-Ambiental.
A Audiência foi bastante concorrida, transcorreu bem e não foram apresentadas críticas contundentes. Estas tiveram, em geral, caráter de aperfeiçoamento do ato.
Esse resultado e a aprovação da meta de redução de IC (2018/2028) aprovada pelo CNPE são passos dos mais importantes para o RenovaBio.

Em tempo: Como se fosse preciso mais notícia boa, o presidente da Fiat Chrysler informou que a empresa deixará de produzir veículos diesel a partir de 2021. Mais um ponto para o meio ambiente e para nossa saúde!

Poluição ambiental e a degradação da Saúde Pública

Atualmente já é sabido por boa parte da população que a poluição ambiental causa problemas de saúde, mas até que ponto isso é levado a sério? Segundo o patologista Paulo Saldiva, líder de um dos grupos de trabalho do Iarc, Agência Internacional de Pesquisa em Câncer, órgão ligado à OMS, “ter câncer de pulmão provocado pelo cigarro é, na verdade, uma exceção”.

“Metade da poluição das grandes metrópoles brasileiras vem de 10% da frota a diesel” — destaca ainda o patologista Paulo Saldiva,  “a maior fonte de emissão de poluentes no país, então, é o tráfego. A curto prazo não há remédio. Precisamos esperar a renovação de veículos e a troca de seu combustível para biocombustível. Também há evidências, embora menos sólidas, de que a exposição a materiais particulados levaria ao câncer de bexiga.”

Para Roberto de Almeida Gil, oncologista do Instituto Nacional de Câncer (Inca), os tomadores de decisão devem repensar seus modelos de desenvolvimento urbano. “Respirar provoca câncer. E é muito difícil prevenir a inalação destes poluentes. Como não podemos viver em redomas, é fundamental melhorar a qualidade do ar das cidades. Precisamos controlar com rigor as emissões de poluentes, restringindo a queima de combustíveis fósseis e observando o impacto ambiental da produção industrial”.

Chefe da Oncologia Clínica do Inca, Carlos José de Andrade acredita que “a conscientização das questões ambientais é um problema político: “É preciso assumir uma responsabilidade para minimizar a deterioração do ambiente. Um país onde não há uma política clara para reduzir a emissão de gases poluentes provavelmente terá mais registros de câncer de pulmão”.

Diante disso, percebe-se a necessidade de intervenções com urgência para que esse caos na saúde causado pela poluição seja sanado. Vale salientar que, no que diz respeito à poluição causada pela queima de combustíveis fósseis, o RenovaBio, programa do Governo Federal que tem por objetivo reduzir as emissões de gases do efeito estufa através do uso de biocombustíveis, se mostra uma iniciativa de longo prazo, porém bastante eficaz. Contudo, a preocupação permanece e o debate sobre esta problemática merece ainda mais atenção.

Selo Agro+ Integridade

Presidente Executivo do Sildalcool, Edmundo Barbosa, é nomeado pelo ministro Blairo Maggi para representar a Confederação Nacional da Indústria no Comitê Gestor do Selo Agro+ Integridade.

O Selo, lançado em setembro de 2017, é um prêmio de reconhecimento às empresas do agronegócio que adotam práticas de governança e gestão capazes de evitar desvios de conduta e de fazer cumprir a legislação, em especial a Lei Anticorrupção (Lei 12.846, de 1º de agosto de 2013).

As empresas premiadas poderão utilizar o selo em seus produtos e campanhas publicitárias pelo período de 1 ano. A premiação também servirá de apoio na demonstração de práticas de integridade para fins de empréstimos oficiais.

Em maio de 2018 aconteceu, em Brasília, a reunião de instalação do Comitê Gestor do Selo Agro+ Integridade e os encontros prosseguem. Leia mais detalhes sobre a primeira reunião no link abaixo:

http://www.agricultura.gov.br/noticias/comite-gestor-do-selo-faz-a-primeira-reuniao-de-trabalho

Antitabagismo: apoiamos essa causa!

Por um ar mais puro, por mais saúde para todos nós!

O Sindalcool se preocupa com a qualidade do que entra em seus pulmões. Ar puro significa melhor qualidade de vida. Atualmente o cigarro é responsável por 156 mil mortes por ano no Brasil, não só de fumantes, mas também de fumantes passivos.
Preserve a sua saúde e a de quem está perto de você. Diga não ao tabagismo! Procure ajuda para deixar de fumar através do Disque-Saúde: 0800 644 7033. O respeito por si e pelo outro também está nos pequenos gestos do dia a dia.

NOTA DO FÓRUM NACIONAL SUCROENERGÉTICO

O Fórum Nacional Sucroenergético informa que pelo menos 220 usinas dos estados produtores do Centro-Sul estão paralisadas por conta da greve dos caminhoneiros. Até a próxima quinta-feira todas as unidades produtoras do Centro-Sul estarão paralisando suas atividades. O setor tem no Centro-Sul 340 unidades que empregam mais de 600 mil pessoas diretamente (o Nordeste encontra-se em período de entressafra). O principal motivo da paralisação é a falta de óleo diesel, utilizado na colheita, irrigação, plantio e irrigação, e de outros insumos, principalmente produtos químicos como cal e ácido sulfúrico, entre outros.
O Centro-Sul é responsável por 94 % da produção de etanol no país. A perda de receita estimada é de 300 milhões de reais. “Estamos deixando de produzir mais de 250 mil toneladas de açúcar e 300 milhões de litros de etanol”, informou o Fórum.
“Estamos em plena safra e as distribuidoras não conseguem tirar os produtos para entrega nos postos para o abastecimento da sociedade. Estamos empenhamos com os governos estaduais, governo federal, ANP e setor de distribuição buscando medidas para amenizar o problema”.
Desde sexta a ANP flexibilizou algumas regras de distribuição de combustíveis.
“Não estamos conseguindo vender os nossos produtos e teremos dificuldades em pagar salários, fornecedores e impostos, pois não estamos faturando”.
Além do setor e da sociedade, os governos serão afetados com um menor faturamento e consequente menor arrecadação.
“Outro problema levantado é que as indústrias não terão bagaço para fazer a co-geração e com isso deixarão de colocar energia no sistema elétrico.”