Porto de Cabedelo pode contar com biocombustível avançado

De acordo com o Sindalcool-PB, o e-metanol tem viabilidade para ser produzido no estado.

 

O Porto de Cabedelo, na Paraíba, poderá tornar-se um pioneiro na transição para um transporte marítimo mais sustentável, graças à introdução do inovador biocombustível conhecido como e-metanol. Essa iniciativa está sendo impulsionada pelo Sindicato da Indústria de Fabricação do Álcool do Estado da Paraíba (Sindalcool-PB), por meio do presidente-executivo, Edmundo Barbosa, que vem trabalhando para integrar o porto à “Aliança para Descarbonização de Portos Brasileiros”.

O e-metanol é produzido através da reação química de hidrogênio verde e dióxido de carbono biogênico. O executivo Edmundo Barbosa enfatiza que há viabilidade econômica dessa produção na Paraíba aproveitando o CO2 através de reações catalíticas.

Essa iniciativa de produção do e-metanol é, atualmente, prioridade no mundo dos transportes marítimos. A substituição do óleo pesado e do diesel pelo e-metanol já é uma realidade. A empresa Maersk de navegação encomendou 100 navios que deverão operar com esse novo biocombustível que utiliza o CO2 biogênico (da fermentação na produção de etanol) e o hidrogênio verde, que pode ser originado através da reforma química do etanol ou da eletrólise”, afirmou Barbosa.

Além disso, o presidente da Companhia Docas da Paraíba, Ricardo Barbosa, que administra o Porto de Cabedelo, está se preparando para participar, ainda este mês, de um curso em Valência, na Espanha, voltado para a descarbonização dos portos.

A Aliança para Descarbonização de Portos Brasileiros é um fórum colaborativo que reúne portos, terminais privados, órgãos públicos, empresas, academias e associações do setor, com o objetivo de acelerar a descarbonização do transporte marítimo no Brasil. Com 49 interessados de 32 organizações e empresas, a Aliança representa um espaço democrático para a troca de experiências e informações, sem fins comerciais ou taxas de adesão.