Sindalcool-PB se reúne com governador e secretários para apresentar propostas de desenvolvimento para o setor sucroenergético paraibano

O encontro aconteceu nesta quinta-feira (15), no Palácio da Redenção. Empresários avaliaram a reunião como positiva para o incentivo da atividade. 

 

Membros da diretoria do Sindicato da Indústria da Fabricação do Álcool na Paraíba (Sindalcool-PB) estiveram em reunião na última quarta-feira (15) com o governador João Azevedo, e secretários do executivo estadual, para apresentarem e discutirem propostas de políticas públicas para o desenvolvimento e incentivo do setor sucroenergético paraibano

Na ocasião, o presidente-executivo do Sindalcool-PB, Edmundo Barbosa, ressaltou a quantidade de empregos e a importância econômica do segmento para o estado.  O setor representa 3% do PIB paraibano e é um dos que mais contribui com a arrecadação de impostos. Essa atividade gera 20 mil empregos diretos e cerca de 44 mil empregos indiretos nos 26 municípios paraibanos onde têm cana-de-açúcar.

Para que as empresas paraibanas tenham mais competitividade com o centro-sul, maior produtor de cana do país, foram apresentadas propostas de políticas públicas adequadas à realidade local como maior agilidade para o licenciamento ambiental para áreas agrícolas e para o licenciamento de barragens destinadas à irrigação; melhorias nos acesso viários para as usinas e melhorias na infraestrutura de escoamento da produção; questões fundiárias e expansão de reservas e ampliação da produção de consumo de biocombustíveis no estado da Paraíba. 

Devido ao clima da nossa região, a irrigação é imprescindível para o aumento da produtividade. “A solução é a irrigação. Com essa tecnologia, podemos competir com o centro-sul. Por isso não podemos ficar à espera de cerca de três anos para conseguir licença para uma barragem”, destacou o diretor da Japungu Agroindustrial, José Bolívar. 

Um dos principais pleitos do encontro foi a manutenção da base do atual termo de ICMS para o setor. O setor defende a preservação desse acordo, que perdura há cerca de vinte anos.

 

Encaminhamentos – O governador João Azevêdo ouviu o pleito dos diretores e empresários e se comprometeu, junto aos secretários, a dar encaminhamentos para solucionar demandas do setor. “É do nosso interesse manter o canal de diálogo aberto e os secretários estão à disposição. Entendemos a importância econômica e da geração de empregos que essa atividade dá ao estado”, destacou o governador. 

O chefe do executivo estadual também afirmou que não revogará os benefícios fiscais e que o atual termo de ICMS será mantido.  

“A reunião foi muito construtiva e se tratou de como poderão ser retiradas as amarras ao   desenvolvimento com maior produção de cana-de-açúcar, que já é isenta de ICMS e de maior produção e consumo de etanol na Paraíba. Ao nosso ver, é essencial também manter o atual termo de acordo porque trouxe desde 2001 a desburocratização e equilíbrio na arrecadação para o estado e competitividade para as empresas produtoras de etanol locais. A esse respeito, o governador João Azevedo e o secretário Marialvo Lucena garantiram que a atual sistemática será mantida”, disse Edmundo Barbosa. 

Edmundo complementou que o setor dispõe de 10.000 hectares aptos para irrigação no estado e que isso ampliaria a competitividade do setor a nível nacional. Todas as usinas são certificadas pelo RenovaBio e comercializam Cbios, o que gera um mercado de descarbonização muito interessante no país. O dirigente também pontuou a necessidade de apoio do estado para regularização dos Cadastros Ambientais Rurais (CARs), que trará agilidade e viabilizará o acesso a financiamentos.  

De forma geral, os diretores e empresários avaliaram a reunião como positiva para o incentivo da atividade e para a descarbonização. Participaram do encontro o presidente-executivo do Sindalcool-PB, Edmundo Barbosa, o diretor-presidente do Conselho do Sindalcool-PB, Gilvan Cavalcanti de Morais Sobrinho, e os diretores e empresários Clodoaldo Soares de Oliveira (Usina Monte Alegre), José Bolivar de Melo Neto (Japungu Agroindustrial), Bruno Tavares (Giasa) e Felipe Cavalcanti de Morais (Miriri Alimentos e Bioenergia). 

Do governo, também estiveram presentes o secretário de Turismo e Desenvolvimento Econômico e diretor presidente da Cinep, Rômulo Polari; o secretário de Estado do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca, Rafael Lopes; o secretário de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão, Gilmar Martins; o secretário de Infraestrutura, Recursos Hídricos e do Meio Ambiente, Deusdete Queiroga, além do governador João Azevêdo.